Quem Sou eu

Biografia

Meu nome é Daniela Rezende Seixo de Brito Mendes Fernandes, mais conhecida como Daniela de Brito, ou mais ainda Dani de Brito. Sou mais velha que meus três irmãos e nasci no século passado! Rsrs… 26 de março de 1972, na cidade de Goiânia (GO), Brasil. Meus pais chamam-se Ronaldo e Maria das Dôres.

Fui uma criança muuuito sapeca! Levada da breca mesmo. Meu pai, empresário e político, e minha mãe, dona de casa, me educaram com muito amor e carinho. Aos dois anos de idade ganhei meu primeiro irmão, e aos três nasceu minha irmã. Aos quatro anos, meus pais a matricularam em um centro de artes, onde cursei Artes Plásticas, Ballet Clássico, Ballet Contemporâneo, Jazz, Sapateado, Teoria Musical, História da Arte, Piano Clássico e Moderno.  Como amava todas aquelas aulas! Cada uma delas. Amava ser bailarina, artista, atriz, pianista, cantora… Era um mundo de infinitas possibilidades que nem minha timidez conseguiu roubar de mim.

Minha avó, a escritora e artista plástica Célia Coutinho Seixo de Brito, sempre me estimulou junto aos meus pais a desenhar, pintar, escrever e dançar. Minha paixão pelas artes sempre foi tamanha que, mesmo nas férias, lá estava eu fazendo cursos e mais cursos. Não parava nunca! – E não quero parar!

Quando eu tinha treze anos meus pais nos deram mais uma irmã: Maria Célia, da qual sou madrinha de Batismo.  – Chique demais, né?! Como presente de nascimento para a caçula, eu escrevi meu primeiro livro: um caderninho onde apresentava a vida e os sentimentos do mundo à minha querida afilhada. – Um presente cheio de amor que fiz com muito carinho e minha irmã guarda até hoje.

E assim continueimeu caminho: escrevendo, lendo, criando, pintando, dançando… Em 1990 entrei no curso de Artes Visuais, na Universidade Federal de Goiás (UFG). Fui aluna de artistas como Carlos Sena, Cléa Costa, Adelmo Café, Neusa Moraes, Maria Paulina, Ciça Fittipaldi, Selma Parreira, entre outros. Juntamente com o curso comecei minha carreira em escolas particulares e projetos sociais. A partir dos 19 anos comecei minha carreira como dança-educadora e arte-educadora. Em 1994, graduei-me na UFG. Tive um ateliê de moda com tecidos exclusivos estampados por mim mesma. Roupas exclusivas. Era lindo!

Casei com o Fábio em dezembro de 1996 e tivemos dois filhos lindos: João Vítor, em agosto de 2002, e João Gabriel, em abril de 2004. Muita emoção ser mãe. A gente se enche de um amor infinito que não sabe explicar, não consegue mensurar. É um amor suficiente para preencher toda a nossa vida.

Iniciei um projeto pessoal em 2002, quando relatava em caderninhos de família, os acontecimentos rotineiros dos meus dois filhotes e suas conquistas: primeira palavra; sapequices, como pular na piscina sem mesmo saberem nadar; amiguinhos imaginários que surgem sabe-se lá de onde; perguntas inimagináveis que só a ingenuidade espontânea das crianças pode ousar e exclamações surpresas ao não entenderem as maluquices ditas pelos adultos. A partir desses arquivos e de muito amor surgiram minhas histórias. Minhas histórias da COLEÇÃO MENINO JOÃO.João pois meus filhos são os motivos de minha inspiração constante. Ideias mirabolantes, viagens quase impossíveis… mas não para a imaginação.

O tempo foi passando e surgiram, então, os 17 volumes da Coleção Menino João.

Os primeiros quatro volumes foram lançados em outubro de 2008:

  • Mala Sem Alça,
  • Ratofredo,
  • O que segura as nuvens no céu?,

Outros três lancei em novembro de 2011:

  • Tsuridodô,
  • Cafubira,
  • Cidade da Bisa.

Em novembro de 2015 lancei:

Em setembro de 2017 apresentei o título:

  • Lápis Cor de Pele, pela Cortez Editora.

E em maio de 2018 publiquei:

  • Dani & Eu,
  • Dani & Eu – Coleção de Ideias.

(Dois queridinhos, já que euestreei como ilustradora e nos títulos convido as crianças à coautoria como escritoras e ilustradoras. Eu amei o resultado!)

Na Bienal de São Paulo de 2018:

  • Filho de Peixe, Peixinho é.

E em outubro de 2018 lançamento em Portugal e França:

  • Doença de Urubu Não Pega Em Beija-Flor.

Meus livros já foram adotados pelo Instituto Ayrton Senna e por várias escolas de tradição e competência nos estados Goiás, São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Distrito Federal. Até à Europa chegaram! Chique demais! Rsrs

Paralelamente à dedicação às histórias para crianças e qualquer um que goste de uma história lúdica, divertida, feita com o coração, estou escrevendo contos e crônicas para jovens e adultos, afinal, desafios são comigo mesma!

Prova de amor à literatura, às pessoas, à vida.

 

Acho que desde que nasci correm tintas, movimentos e poesia em minhas veias. Sou artista plástica formada pela UFG, e também arte-educadora e dança-educadora. Meus filhos falam que virei escritora. Escrever, sempre escrevi, mas literatura infantil foi por causa deles. Adoro inventar histórias, ainda mais quando as ideias partem de suas cabecinhas mirabolantes. Quero escrever sempre e me sentir mais feliz a cada dia, por me fazer criança e levar a alegria da infância para pequeninos e grandinhos! Prazer, sou Dani de Brito”.